Kotatsu, a mesa com futon e aquecimento interno

0
1933
kotatsu

Kotatsu é um dos segredos japoneses para manterem-se aquecidos nos rigorosos invernos.
É uma mesa para aquecer os pés e as pernas com um aquecedor debaixo dele e uma colcha (futon, edredon, cobertor) que vai sobre a mesa, assim mantem o calor.

Nem todas as casas possuem um sistema de calefação instalado e um ar condicionado pode consumir muito gás e energia elétrica, então, uma opção mais econômica para a casa é o kotatsu. Mesmo com a crescente ocidentalização das casas japonesas e a proliferação de novos tipos de aquecedores, um grande número de famílias no Japão ainda utilizam hoje o kotatsu.

História do Kotatsu

Esta tradição japonesa remonta ao século XIII. Um precursor do kotatsu foi o irori, uma espécie de lareira. No interior das casas antigas era feito um buraco quadrado no assoalho com revestimento de barro e pedra. Inicialmente queimavam lenhas, depois utilizaram o carvão.

Neste local aproveitavam o fogo para ferver água, cozinhar utilizando chaleira ou panela de ferro pendurado em um gancho.

O monges budistas colocaram uma armação de madeira em cima do irori e aproveitavam o calor para aquecer os pés. No século XV tornou-se comum cobrir com um acolchoado ou futon. Com o advento da energia elétrica, foi alterado a fonte de calor, até os dias de hoje.

O Kotatsu é um móvel peculiar do Japão que tem despertado o interesse de muitos estrangeiros por ser uma forma barata e prática de aquecimento no inverno. Muitos turistas compram mesas de kotatsu para levarem como souvenir japonês.


 Como é o kotatsu

Uma mesa baixa, com formato quadrangular, retangular, oval, redonda que tem um aquecedor elétrico acoplado na parte inferior da sua estrutura. Atualmente encontramos também kotatsu em mesas altas, usadas para refeições. As mesas podem ser de madeira, plástico ou outro material.

A mesa é coberta com um acolchoado, edredon ou futon (kotatsu-gake). Muitas vezes as estampas são decorativas para combinar com a arrumação da casa. Algumas pessoas utilizam também embaixo, o carpete elétrico ou uma manta (shitagake). 

Nas lojas de móveis e home centers são vendidos poltronas ou cadeiras próprias para utilizar no kotatsu, podendo descansar mais confortavelmente se comparado com a almofada somente. As cadeiras sem pé 座椅子・ZAISU também são muito utilizadas.


Função do kotatsu

  1. Manter o corpo aquecido durante o inverno.
  2. Reúne familiares em volta para diversas atividades, como refeições, jogos, conversas, tarefas escolares, assistir TV e video, aumentando os momentos de lazer em grupo.
  3. Japoneses tem o costume de dormir aproveitando o calor para cochilar. Muitas mantas tem abas longas, que substitue o cobertor ou futon. Tradicionalmente, as crianças são informadas de que eles vão pegar um resfriado se dormir sob um kotatsu . Animais de estimação, como gatos frequentemente dormem, são pequenos o suficiente para caber completamente debaixo
  4. Quando termina o inverno, as mantas são retiradas e a mesa poderá ser utilizada normalmente no dia a dia. Muitos modelos atuais tem as pernas das mesas dobráveis, assim poderão ser guardadas sem ocupar espaço desnecessário até o próximo inverno.

Tradicionalmente, as crianças são informados de que eles vão pegar um resfriado se dormir sob um kotatsu . Animais de estimação, como gatos frequentemente dormir sob kotatsu , no entanto, e são pequenos o suficiente para caber completamente debaixo Tradicionalmente, as crianças são informados de que eles vão pegar um resfriado se dormir sob um kotatsu . Animais de estimação, como gatos frequentemente dormir sob kotatsu , no entanto, e são pequenos o suficiente para caber completamente debaixo Tradicionalmente, as crianças são informados de que eles vão pegar um resfriado se dormir sob um kotatsu . Animais de estimação, como gatos frequentemente dormir sob kotatsu , no entanto, e são pequenos o suficiente para caber completamente debaixo


Leitura recomendada: Kotatsu. Aquisição Muito Japão!

Gostaram destas informações? Compartilhe com os amigos!

 

 

 

 


DEIXE UMA RESPOSTA